Sábado, 04 de Julho de 2020

Jornal revela que Polícia Federal abriu inquérito contra Pedro Taques e Nilson Leitão por ‘caixa 2’




COMPARTILHE

O jornal A Gazeta divulgou neste domingo, 28, a abertura de um inquerido na Polícia Federal contra o ex-governador Pedro Taques (SD) e o ex-deputado federal Nilson Leitão (PSDB) relativos a possíveis crimes de caixa 2 que teriam sido cometidos por eles na campanha de 2014.

Segundo o jornal a abertura do inquérito na PF teve como base ao acordo de delação premiada feita pelo ex-secretário de Educação do Estado, Permínio Pinto. A reportagem é assinada pelo jornalista Pablo Rodrigo, veja na integra.

PF investiga Taques e Leitão por ‘caixa 2’ em campanha -  A Polícia Federal abriu inquérito para investigar possíveis crimes de caixa 2 cometidos pelo ex-governador Pedro Taques (SD) e o ex-deputado federal Nilson Leitão (PSDB) durante a campanha de 2014. De acordo com o inquérito que A Gazeta teve acesso, a apuração dos fatos tem por base a delação do ex-secretário de Educação, Perminio Pinto.

O delator aponta que tanto Taques quanto Leitão foram beneficiados pelo empresário Fabiano Bearare da Costa, proprietário editora Terra do Saber, que em 2014 havia realizado doações de campanha não contabilizadas’. Perminio chegou a receber do empresário R$ 175 mil em sua própria conta bancária, para que fizesse pagamentos da campanha de Nilson Leitão. Cópias do extrato bancário de Perminio foram anexadas no inquérito.

Segundo as investigações, o ex-secretário afirma que Leitão tinha revelado na época das doações que o então candidato ao governo, Pedro Taques, “também havia recebido doação eleitoral do mesmo empresário, tendo o valor sido recebido pelo então secretário da Casa Civil de Mato Grosso, Paulo Taques, primo do governador Pedro Taques, não sabendo dizer a forma que o recurso foi repassado”, diz trecho do documento.

Já em 2015, quando Perminio já atuava como secretário de Estado, sob orientação de Nilson Leitão, o empresário o procurou para apresentar um projeto educativo, sendo que tal projeto seria uma contrapartida ao pagamento de despesas de campanha não contabilizadas de Taques e Leitão. O empresário também teria se reunido com o governador na época.

Após este encontro, Perminio teria recebido um envelope com a documentação impressa e um CD-R contendo as documentações necessárias para a realização do processo licitatório. “Desta forma, em contrapartida às supracitadas doações eleitorais, o então governador Pedro Taques cobrou a implementação do projeto, denominado Pipocando o Saber”, diz trecho do documento. Perminio ainda diz que chegou a preparar o processo licitatório com pareceres favoráveis da área pedagógica e jurídica.

A sua gestão também teria feito a reserva orçamentária para implementação do referido projeto. “Entretanto, esse projeto não teria avançado em razão de dotação orçamentária insuficiente”, consta no depoimento. A Polícia Federal já solicitou informações da Seduc a respeito do projeto, bem como informações a respeito da entrada do empresário no Palácio Paiaguás, Casa Civil e Seduc, entre os anos de 2014 e 2016.

Outro lado - O ex-governador Pedro Taques negou todas as acusações, afirmando que a única prova que se tem é a palavra do delator. “Aliás, como toda acusação dele, mentirosa e sem prova alguma. Pelo que está aí, ele ouviu, mas não traz nada de concreto. Não posso ser responsabilizado pelo que os outros dizem. Mas, mesmo assim, tudo precisa ser investigado, ninguém está acima da lei”, disse.

Taques afirma que desde 2016 vem sofrendo acusações dos “mentirosos Perminio Pinto e Alan Malouf”, e que o acusam para se beneficiarem da colaboração premiada. Já Nilson Leitão garante que nunca foi notificado e que não conhece o teor das investigações. Porém, lembra que a sua prestação de contas da campanha de 2014 foi aprovada pela Justiça Eleitoral e que todas as doações que recebeu naquele ano foram contabilizadas com a referida prestação.

Já o ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques, disse que “minha função na campanha era de coordenador jurídico, então eu não tratava de arrecadar doações. E não sei quem é Fabiano Bearare da Costa”. O empresário Fabiano Bearare não foi localizado para comentar o inquérito.

 


Autor:Redação AMZ Noticias


COMENTÁRIOS:
O AMZ Noticias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - AMZ NOTÍCIAS Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito ao Amz Notícias